Se algum link não abrir me avise, obrigada.

RECEBAS AS NOVIDADES POR E-MAIL

Seguidores

PARCERIAS


POR FAVOR, NÃO PEÇA PARA COLOCAR SEU BLOG NA MINHA LISTA DE FAVORITOS SE NÃO ESTA DISPOSTO A FAZER O MESMO. CASO COLOQUE ALGUM LINK AUTOMATICAMENTE ESTAREI EXCLUINDO, CASO QUEIRA ALGUM TIPO DE PARCERIA ENTRE EM CONTATO. OBRIGADA.

PASTA SKYDRIVE

PASTA SKYDRIVE
DOWNLOAD

CONSERTANDO LINKS

Olá!!!


Estou consertando os links, tive que comprar outro notebook sendo assim alguns arquivos perdi e não encontro na internet. Conforme vou colocando o link válido eu escrevo na postagem, então peço para quem tiver entrar em contato e compartilhar. Caso perceba que o download não funciona deixe recado e estarei consertando o mais breve possível.


Beijos.

E-MAIL

E-MAIL
simplesmenteromances@outlook.com

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

O MARQUÊS DE POMBAL DO VOL I AO IV


PRÓLOGO
PRIMEIRO  AMOR
i
OS  CAPOTES  BRANCOS
Era no inverno de 1729- A noite viera cedo, noite
aspérrima de Novembro, torva e fria. Tinham dado nove
horas. Hora tardia para a gente pacata daqueles tempos.
Dali a pouco, pelas ruas estreitas de Lisboa, sem luz e sem
polícia, apenas ousariam transitar os galãs e os ébrios, os
espadachins e os gatunos. Algumas raras vezes, por excepção
daquelas rudes noites, passavam nas ruas os quadrilheiros da
ronda, acaudilhados pelo corregedor, rasgando as sombras
com os rubros lampejos das suas lanternas de furta-fogo.
Próximo do vasto palácio dos Marqueses de Marialva,
ao Loreto, catorze ou quinze embuçados, de capas pretas



PRIMEIRA  PARTE
OMNIPOTENTE
I
O TERRAMOTO
Um dia Formosíssimo, tépido, luminoso, dia excepcional
de Novembro! O céu muito azul, de um profundo azul que
parecia não ter fim, o sol rútilo e quente como nos dias de
Julho, o Tejo a reverberar fulgores, sereno como um lago.
Era o primeiro dia do mês. Singular Novembro aquele
de 1755! Dir-se-ia que o Verão não tinha fim! O Outubro
fora um mês de estranhos calores.
Dia santo, o dia solene da festa de Todos-os-Santos, e o
povo de Lisboa, ainda madrugador, começara cedo a sua
romaria às numerosas igrejas da cidade. Logo ao romper
de alva se tinham iluminado os altares; os sinos repicavam


 O   HOMEM
Achamo-nos no último domingo de Setembro de 1757.
 Sebastião de Carvalho é um homem essencialmente metó-
 dico e prático. Não desdenha descer das mais altas questões
da política internacional ou da administração interna aos
mais comezinhos problemas da fazenda e aos mais insigni-
 ficantes assuntos da segurança pública e dos serviços admi-
 nistrativos.
[ Tem cooperadores, carece de auxiliares, precisa da cola-
 boração daqueles a quem hoje chamaríamos os técnicos;
 mas o seu prodigioso cérebro a todos subordina e dirige;
 mas o seu pulso de gigante a tudo imprime acção e vigor,


SEGUNDA PARTE
A COMPANHIA DE JESUS
XVI
A EXPULSÃO DOS JESUÍTAS
Na data de 19 de Janeiro foram expedidas as cartas
régias aos chanceleres das Relações de Lisboa e Porto,
expondo os erros e delitos dos padres da Companhia de
Jesus e regulando o sequestro dos seus bens e a reclusão
e incomunicabilidade em que haviam de ficar até ulterior
determinação.
Com a mesma data foi enviada também outra carta régia
ao arcebispo de Braga, resumindo as acusações contra a
Companhia. Acompanhava uma cópia do longo libelo formulado
 contra os jesuítas e exortava o prelado a opor as
5
O MARQUÊS DE POMBAL
puras doutrinas da Igreja às cavilosas maquinações e venenosos
 princípios daquela congregação religiosa.
Em linguagem figurada, a carta régia ao primaz das
Espanhas indicava assim a intenção de El-rei, descrevendo-
-lha; para que, sendo informado do venenoso pasto, que
a malignidade tem pretendido dar às vossas ovelhas, o ,
possais fazer arrancar pelo vosso pastoral ofício, de sorte
que elas, em vez de tão mortífera peçonha, sejam só apascentadas
 útil e saudavelmente nos campos que cultivaram
os mais zelosos e exemplares obreiros da vinha do Senhor.
Para Roma tinham sido remetidas:
Em 15 de Abril uma súplica ao Pontífice por parte
do procurador da Coroa, para que à Mesa da Consciência
e Ordens fossem concedidos os poderes necessários, permanentes,
 para julgar e relaxar às justiças temporais os clérigos
religiosos e regulares, implicados em crimes de alta traição
contra o Soberano ou contra a segurança do Estado. O procurador
 aduzia precedentes e lembrava os breves de Gregório
 XIII, de Leão X e de Pio IV, pontífices que, no
século XVI, tinham reconhecido aos reis de Portugal o
direito de relaxar às justiças seculares os eclesiásticos que
delinquíssem contra a pessoa do rei ou contra a tranquilidade
 e os direitos do Estado.




Nenhum comentário:

Postar um comentário